Dagor | C.P. Goerz – Berlin

C. P. Goerz Berlin Doppel Anastigmat Serie III - DAGOR - 240 mm f/6.8

Este é um dos mais felizes designs de lentes de todos os tempos. Mais de cem anos após a sua introdução, a Dagor ainda é uma lente muito utilizável. Foi em 1982 que o matemático Emil von Hoegh, então com apenas 27 anos, propôs a Zeiss esta anastigmática dupla constituída por dois tripletos dispostos simetricamente em torno do diafragma. A Zeiss não estava interessada, talvez porque dois anos antes eles haviam lançado suas próprias anastigmáticas. Então Emil recorreu à também muito jovem empresa Goerz em Berlim. Com apenas quatro anos de idade, a Goerz estava produzindo uma lente Rapid Rectilinear chamada Lynkeioskop, uma das melhores versões RR. Esse foi o começo de um enorme sucesso. Em 1895, cerca de 30.000 já haviam sido vendidas. O nome Dagor foi adotado apenas em 1904 como abreviação de Goerz Doppel Anastigmat. O design foi licenciado para muitos outros fabricantes de lentes. (fonte: Kingslake)

 

Com as anastigmátcas foi definitivamente criada a categoria de lentes de alta qualidade de uso geral. Algumas Rapid Rectilinears já tinham essa reputação, mas essa foi  rapidamente transferida para as anastigmáticas. Antes disso, o mercado estava dividido principalmente entre as lentes Retrato e Paisagem. As primeiras eram lentes rápidas, a maioria delas do tipo Petzval, com um ângulo de visão em torno de 35º, e as últimas, para paisagens, eram lentes curtas com imagens muito escuras, oferecendo aberturas não maiores que f/11 ou f/16 e ângulo de visão indo até 90º.

A importância de uma lente de uso geral, realmente capaz de atender a um grande número de situações, é que ela permitiu o conceito de uma câmera com uma lente fixa. Antes disso, todas as câmeras deveriam acomodar diferentes lentes. A placa da lente precisava ser maior e também a extensão do fole devia ser mais flexível. Com lentes como as Dagor, as câmeras puderam ser projetadas exclusivamente para suas dimensões nativas de imagem e foco. Combinadas com a gelatina de prata, muito mais rápida que o colódio, as lentes de uso geral, anastigmáticas, abriram um novo caminho para a criação de imagens de alta qualidade de uma forma até então inimaginável: a fotografia na mão, sem tripé.

É verdade que nesse ramo, é certamente impossível não mencionar também o surgimento das populares câmeras tipo caixa e filme em rolo, como o exemplo da Kodak e sua Brownie # 2 (à esquerda). São câmeras que resgataram a lente tipo menisco, apenas um vidro côncavo/convexo, com um diafragma frontal. Isso foi possível exatamente porque mesmo com a abertura de f/11, oferecida nessas câmeras, já eram possíveis fotos externas em luz do dia. Essa combinação andou de mãos dadas com uma importante questão de conveniência para o fotógrafo: o processamento profissional de filmes, o famoso Você aperta o botão, nós fazemos o resto, cunhado por George Eastman. Mas no lado do amador entusiasta e do profissional, as coisas também estavam evoluindo.

Olhando para o lado mais sofisticado, este Block-Notes, da Gaumont-Paris é equipado com uma Dagor 75mm f/6.8. Ela não tem ajuste de foco. Este é ajustado na fábrica em sua distância hiperfocal. Apenas algumas opções de velocidade e duas aberturas são possíveis. Essa é a câmera usada, por exemplo, por um fotógrafo que representa soberbamente o objetivo de registrar a beleza na vida real, Jacques Henri Lartigue (1894-1986). Como ele diz no documentário Jacques-Henri Lartigue BBC Master Photographers (1983), era uma câmera que ele usou intensamente. Eu não sei se a foto abaixo foi tirada com ela, mas é de 1906, então um palpite razoável (apresentado no  MOMA catalogue  sobre a exposição de Lartigue de 1963). Não sei também se especificamente essa  foto foi feita com uma lente Dagor. Mas o ponto aqui é ilustrar como uma nova geração de lentes abriu novas possibilidades em fotografia instantânea mas de alta qualidade.

Muitas câmeras no início do século XX ofereceram uma escolha entre um conjunto de lentes. Em todos os casos que observei, a Dagor estava entre as melhores e mais caras.

 

Na propaganda acima, mencionando o Grand Prix na Exposition Universelle de 1900 para a Block-Notes, a opção da câmera equipada com uma Dagor se posiciona acima de anastigmáticas famosas como as Zeiss Protar e Tessar, enquanto que uma do tipo Rectilinear da Darlot, faz o preço da câmera cair abaixo da metade.

Dagor 75 mm f/6.8 -na Block-Notes da Gaumont Paris

Dagors, Série III f / 6.8, foram fabricadas com comprimentos focais de 40 a 900 mm, de acordo com o Lens Vade Mecum. Ela foi montado e vendida em muitas câmeras e também como lente avulsa para grande formato. Ângulo de visão de 72º com um campo plano na abertura máxima. Com diafragma fechado pode, de acordo com a publicidade (Goerz Lenses, acima), vai até 90º.

 

Esta é uma publicidade voltada mais para os fabricantes de câmeras do que para fotógrafos. Foi publicado no Boletim do Photo-Club de Paris, 1899. Isso foi antes da adoção de Dagor como um nome comercial e já listou 43 câmeras de mão, chambres à main, apresentando a nova ótica da C.P.Goerz. Ela mostra montagens diferentes e diz que, para pedidos significativos, uma adaptação especial poderia ser implementada. Em relação aos formatos vai de 4×4 até 13×18 cm.

Sendo de uma época em que não havia tratamento anti-reflexo de lentes para reduzir dispersão de luz indesejada, a construção da Dagor tinha vantagens sobre Tessares ou Planares porque, embora tenha 6 vidros, apresenta apenas 4 superfícies de vidro/ar ou ar/vidro.

Outro ponto muitas vezes enfatizado foi que trata-se de uma lente conversível. Isso significa que é possível usar apenas uma célula colocada atrás da íris. Nesse caso, o foco resultante é multiplicado por 1,73 o foco com os dois grupos. Claro, há uma perda significativa de luminosidade.

C. P. Goerz Berlin Doppel Anastigmat Serie III - DAGOR - 240 mm f/6.8

As marcações de abertura gravadas não são as séries familiares 4 – 5.6 – 8 – 11 – 16 – 22 …. Como muitos outros, Goerz usou uma escala especial. No gráfico abaixo podemos ver os valores equivalentes.

Photominiature (abril 1899) Modern Lenses

A abertura máxima f/6,8, gravada no anel frontal da lente, corresponde ao valor que se obtém da simples razão distância focal / pupila de entrada. É comparável a outras lentes. Mas no anel de abertura esse 6.8 é convertido em 4.6 e as aberturas seguintes estão cortando pela metade a luminosidade da lente nas séries 6, 12, 24, 48, 96, 192, 384. Isso porque para dobrar a luminosidade, ou seja, dobrar a área da pupila de entrada, basta aumentar o raio do círculo pela raiz quadrada de 2, pois sendo a área de um círculo = πr2, ao se fazer o quadrado do raio o fator para a área será 2, o dobro. Mas os fabricantes de lentes acharam que seria confuso apresentar uma série de números que não dobrariam para indicar o dobro, na verdade a metade, da luminosidade. Essa é a origem de muitas séries diferentes que evitam a fórmula simples de abertura = distância focal/pupila de entrada. Caso você não tenha certeza do raciocínio que uma determinada lente segue nas escalas de abertura, é sempre possível medi-las você mesmo. Visite a página medindo a abertura da lente.

C. P. Goerz Berlin Doppel Anastigmat Serie III - DAGOR - 240 mm f/6.8

Abaixo uma foto feita com essa Dagor 240 mm no Jardim Botânico de São Paulo.

A câmera era uma placa inteira, Royal Ruby Thornton Pickard 18 x 24 cm. Filme foi Fomapan 100. Acima, a digitalização de uma impressão de contato feita em fibra Ilford. Abaixo, a câmera e um dos jardineiros que aparecem na foto – digitalização diretamente do negativo.

Aqui outra foto do mesmo dia no Jardim Botânico. Essa foi uma situação exigente em relação ao flare. Eu não usei nenhum parasol. Isso poderia reduzir a invasão de luz na lente e torná-la menos perceptível mesmo para uma lente não revestida. Ao mesmo tempo, essa imagem, de alguma forma me traduz bem a atmosfera daquele lugar, seu calor e umidade. Esta é uma digitalização de uma impressão de contato em fibra Ilford – filme foi Fomapan 100 18 x 24 cm.

 

E para reforçar o caráter de “uso geral” desta lente. Um retrato bem close-up  e um retrato de interior. Ambos em formato 4 x 5 “ampliado para 20 x 25 em fibra Ilford. O filme foi Ilford FP4.

 

 

Agora, uma Dagor mais curta, 120 mm, e o resto permanece o mesmo. É uma Série III f/6.8. Ela é montada em um lindo obturador Unicum da Bausch & Lomb que ainda funciona. Eu tenho isso em uma placa de lente caseira que se encaixa em uma câmera antiga Thornton Pickard para a qual eu adicionei uma traseira, camera back, também caseira para aceitar chassis padrão 4×5 “ou 9×12 cm.

C. P. Goerz Berlin Doppel Anastigmat Serie III - DAGOR - 120 mm f/6.8

C. P. Goerz Berlin Doppel Anastigmat Serie III - DAGOR - 120 mm f/6.8

DOPP. ANASTIGMAT Serie III DAGOR F=120 mm 1:6.8 PAT. C.P.GOERZ BERLIN . Nº 167361.

Com essa lente e a câmera eu fotografei uma paisagem urbana em São Paulo que achei mais legal mostrar em um vídeo:

Comente com um click:
Este artigo lhe foi útil? no/nãoyes/sim     Loading...

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.